Notícias
24/abril/2017 - PR-SDW: PRIMEIRO 737 "FULL PAX" DA SIDERAL

Site AeroEntusiasta ©  AE 012/17

Boeing 737-300 ex. China Southern Airlines (cn 27273), chegou ao Brasil no último dia 06/ABR em voo de translado desde Miami (MIA) até o Rio de Janeiro (GIG), com escala técnica em Paramaribo (PBM). Ostentando basic colors do seu antigo operador chinês, este é o primeiro jato "full pax" da SIDERAL (PR-SDW).

Na noite da quinta-feira (20/ABR), o "SDW" foi transladado para os hangares da Rio Cargo em Curitiba (CWB), onde será configurado no padrão do novo operador.  

Todos os Boeings da Sideral:

  • 737-300: PR-SDW (cn 27273)
  • 737-300F: PR-SDL (24060) / PR-SDF (27347)
  • 737-300QC: PR-SDG (25426) / PR-SDO (26851)
  • 737-400F: PR-SDJ (24906) / PR-SDU (24808) / PR-SDV (25377) / PR-SDT (26530) / PR-SDM (24690) / PP-WSA (25375)
  • 727-200F: PR-IOB (22983) / PR-IOC (22984)

Outras notícias sobre a SIDERAL AIR CARGO:

( Foto: Maycon Jorge | Equipe GIG AO VIVO © GIG 20/04/2017 )


17/abril/2017 - United Airlines muda políticas após expulsão violenta de passageiro

David Dao sofreu uma contusão cerebral, uma rutura nasal e perdeu dois dentes quando foi expulso do avião pela tripulação, porque o voo estava cheio

A transportadora aérea norte-americana United Airlines anunciou, no domingo, que começou a modificar algumas políticas após a polémica em torno da violenta expulsão de um passageiro de um dos seus aviões.


"Atualizámos a nossa política para assegurarmos que a tripulação que viaja nos nossos aviões faça a reserva pelo menos 60 minutos antes da partida", disse a porta-voz da companhia aérea, Maggie Schmerin, numa nota enviada ao jornal The New York Times.


"Este é um dos passos iniciais na revisão das nossas políticas", para que episódios como o de 09 de abril "nunca voltem a acontecer", disse.


Schmerin sublinhou o anúncio do diretor executivo da United, Oscar Muñoz, de que não voltará a recorrer a polícias para retirar passageiros dos aviões se estes não representarem uma ameaça iminente.


O passageiro David Dao, expulso de forma violenta há uma semana de um voo da United Airlines, responsabiliza a transportadora pelos ferimentos sofridos durante o incidente: uma contusão cerebral, uma rutura nasal e a perda de dois dentes.


Dao, que quer processar a companhia, foi retirado à força do lugar num voo da United entre Chicago (Illinois) e Louisville (Kentucky), a 09 de abril, depois de se ter recusado a abandonar o avião para ceder espaço à tripulação, de acordo com imagens captadas por outros passageiros.


O passageiro, um médico de 69 anos, explicou que necessitava de viajar naquele voo para atender pacientes no dia seguinte, quando a companhia o escolheu à sorte para abandonar o avião, após constatar que não havia voluntários para apanhar outra ligação, em troca de uma compensação.


Fonte: http://www.dn.pt/mundo/interior/united-airlines-muda-politicas-apos-expulsao-violenta-de-passageiro-6224774.html



11/abril/2017 - Com abertura de capital da Azul, mercado de ações ensaia retomada de IPOs

Azul é a terceira empresa a estrear na bolsa paulista neste ano. De 2014 a 2016 foram apenas 3 aberturas contra 25 fechamentos de capital.

Depois de 3 anos de represamentos e desistências de oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), o mercado de ações brasileiro começa a ensaiar uma retomada com uma nova leva de de empresas que estão abrindo o seu capital e se listando na B3 – novo nome da bolsa paulista após a fusão da BMF&Bovespa com a Cetip.

De 2014 a 2016, apenas três IPOs foram feitos no Brasil (Ourofino, Par Corretora e Alliar) em meio à maré baixa da economia, enquanto 25 empresas saíram do mercado de ações. Os registros de cancelamento, chamados de ofertas públicas de aquisição (OPAs), bateram recorde em 2016. Foram 13, entre eles os da Arteris, Banco Sofisa, Alpargatas e Whirlpool, dona das marcas Brastemp e Consul.

 (Foto: Arte/G1)

(Foto: Arte/G1)

Em 2017, com o início das negociações de ações da Azul na Bolsa, já são 3 IPOs no ano – igualando o número de aberturas de capital registrado nos últimos 3 anos.

A oferta de ações na bolsa de valores é um dos caminhos das empresas para se capitalizarem e conseguirem financiar sua expansão ou pegar recursos para pagar dívidas mais caras, por exemplo. Na prática, os sócios cedem uma parte da empresa a investidores em troca de capital.

 

Três ofertas 

Depois de 3 tentativas abortadas, a Azul conseguiu levantar R$ 2,02 bilhões na sua oferta inicial de ações. Até então, os IPOs da Smiles (R$ 1,13 bilhão) e do BB Seguridade (R$ 11,47 bilhões), ocorridos em abril de 2013, tinham sido os últimos a ter superado a marca de R$ 1 bilhão em recursos captados.

Fonte: http://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/com-abertura-de-capital-da-azul-mercado-de-acoes-ensaia-retomada-de-ipos.ghtml



10/março/2017 - Comunicações por satélite geram economia de US$ 3 bi

Estudo calcula benefícios entre 2001 e 2016

Comunicações via satélite (satcom) na cabine de comando das aeronaves ajudaram companhias aéreas a economizarem mais de US$ 3 bilhões entre 2001 e 2016, aponta estudo realizado pela consultoria de aviação Helios, e Inmarsat, provedora de serviços de comunicações móveis por satélite.


Satcom é o uso de serviços de voz e dados via satélite para a comunicação com aeronaves fora da faixa de radares terrestres convencionais e de estações de Frequência Muito Alta (Very High Frequency – VHF), como em regiões oceânicas. É tipicamente utilizada para controle e operações aéreas.


O estudo mostra que o benefício de apenas um mecanismo de Controle de Tráfego Aéreo (ATC) – a redução das separações mínimas, que permite que as aeronaves voem mais perto umas das outras em segurança – foi responsável por uma economia de US$ 890 milhões.


Com a tecnologia satcom, as aeronaves podem voar a 30 milhas náuticas umas das outras, com o uso de comunicações e rastreamento seguros e confiáveis – anteriormente as aeronaves eram obrigadas a manter uma separação de 100 milhas náuticas entre si. O fato de mais aeronaves poderem voar em um determinado espaço aéreo é vantajoso nos movimentados céus: se uma aeronave não estiver equipada com capacidade de comunicação por satélite, ela precisará manter a distância mínima de 100 milhas náuticas e não será autorizada a voar em determinadas áreas.


O aumento da capacidade do espaço aéreo também leva a mais aeronaves poderem escolher níveis de voo otimizados, economizando tempo e combustível.


Uma economia adicional de US$ 1,9 bilhão é proporcionada graças à habilidade das aeronaves de se comunicarem com o Centro de Operações Aéreas (AOC). Os aplicativos de AOC utilizam informações em tempo real para ajudar as companhias aéreas a melhorarem a segurança dos voos ou a prestar um serviço mais eficiente a um custo menor.


A conectividade de banda larga também ajudará a atender às demandas urgentes do ATC, à medida que os nossos céus comportam cada vez mais tráfego. Até 2030, haverá mais passageiros no céu por ano (7 bilhões) do que pessoas no chão hoje. Eles voarão em 40 mil aeronaves, a maioria das quais estará conectada.


Fonte: http://www.itforum365.com.br/conectividade/redes-e-comunicacoes/aviacao-comunicacoes-por-satelite-geram-economia-de-ate-us-3-bi



10/março/2017 - Azul publica sua nova política de bagagem despachada

A Azul continuará oferecendo normalmente a franquia de bagagens de 23 kg em seus voos domésticos e manterá os preços das passagens aéreas praticados atualmente. No entanto, a companhia terá uma nova opção de tarifa – que será introduzida gradativamente para os mercados onde a empresa opera no Brasil, a partir da próxima terça-feira (14/3) – com preços reduzidos para quem não despacha bagagens. Além disso, passa a valer a regra para embarque com bagagens de mão de até 10 kg em todos os voos da empresa.

Entenda como funcionarão as tarifas da Azul nos voos domésticos


Agora, as passagens da Azul estarão classificadas em duas categorias: a “MaisAzul” e a “Azul”.


A categoria MaisAzul mantém a prática tarifária atual, incluindo franquia de 23 kg de bagagem e sempre estará disponível para compra. E, ainda, o Cliente poderá levar o dobro do peso que levava antes na bagagem de mão.


Ao optar pela categoria Azul, que é a nova opção, o Cliente pagará mais barato pela passagem na comparação com a tarifa MaisAzul e poderá escolher pela compra ou não do serviço de bagagem despachada. Nessa modalidade, se o Cliente mudar de ideia, poderá incluir os 23 kg de bagagem, a qualquer momento, por apenas R$ 30,00.  Caso o Cliente ultrapasse essa cota de 23 kg, será mantida a atual cobrança por quilo excedente.


A partir da próxima terça (14/03), mais de 16 cidades partindo de Campinas já contarão com tarifas reduzidas nessa categoria. Algumas cidades com voos saindo de Campinas já contarão com tarifas reduzidas a partir de amanhã. As passagens estarão disponíveis para compra com antecedência mínima de 28 dias. Confira regras no site da Azul. São elas: Rio de Janeiro (SDU), Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte, Vitória, Florianópolis, Jaguaruna, Lages, Londrina, Maringá, Navegantes, Passo Fundo, Chapecó, Cascavel, Divinópolis e Ponta Grossa.


Operações Internacionais


Seguindo as práticas internacionais de mercado, o volume de bagagem despachada para voos com destino aos EUA e Europa também passa a ser diferente a partir da próxima terça-feira (14/03). Os Clientes com bilhetes adquiridos para as classes Econonomy e Economy Extra terão direito ao despacho de dois volumes de 23 kg cada e, os Clientes da Azul Business, poderão despachar três volumes de 23 kg cada. O número de volumes não muda em relação ao que a Azul já praticava. A diferença está no peso máximo permitido para cada volume, que agora se enquadra nos padrões internacionais. Ainda, caso o cliente queira despachar um ou mais volumes extras, a companhia reduzirá o valor do volume extra de US$ 150 para US$ 100 por volume.


Para os voos na América do Sul, a companhia terá por regra o despacho de um volume de até 23 kg de bagagem por Cliente. Caso o Cliente queira levar um ou mais volumes extras, a companhia passará a cobrar o valor de US$ 50 por volume, o que representa uma redução no valor pago atualmente na forma de quilogramas.


Programa de vantagens TudoAzul


Para os Clientes Safira e Diamante no Programa TudoAzul existem algumas vantagens e diferenciais adicionais:


Voos Domésticos


Clientes Diamante e Safira que compram a Tarifa Azul garantem o melhor preço e, ainda, poderão despachar 23 kg de bagagem gratuitamente. E, como hoje, Clientes TudoAzul Topázio, Safira e Diamante contam com 5 kg, 10 kg e 15 kg de bagagem extra, respectivamente.


Voos Internacionais


Clientes Diamante terão direito a um volume extra de 23 kg quando comprarem as classes Economy e Economy Extra.


Fonte: http://passageirodeprimeira.com/azul_politica_bagagem/



08/março/2017 - Bell anuncia helicóptero com propulsão híbrida e sem rotor de cauda

Sistema inédito possui motor elétrico que aciona múltiplos fans, na parte traseira da fuselagem

Bell Helicopter revelou sua visão de futuro com a aeronave conceito FCX-001 de decolagem vertical na Heli-Expo 2017, que está sendo realizada em Dallas, Texas. O FCX-001 foi inspirado nos carros-conceito produzidos pelos fabricantes de automóveis.

Apresentada no estande da Bell tanto na forma de um modelo em escala natural quanto em realidade virtual a aeronave bimotora de médio porte incorpora algumas tecnologias atualmente em desenvolvimento na Bell e que provavelmente amadurecerão em um futuro próximo, alguns bem ambiciosos como evidenciado por um cockpit totalmente livre de controles físicos.   

Dentre os elementos mais notáveis no projeto do FCX-001 destacam-se o inédito sistema antitorque acionado por fans embutidos na parte traseira da fuselagem, a propulsão híbrida, as pás do rotor principal que poderão mudar de ângulo (como as asas dos aviões de geometria variável) diminuindo o ruído, o uso extensivo de vidro na fuselagem, as portas tipo asa de gaivota e o revolucionário sistema de controle da aeronave. 

No teto da larga cabine, que na Heli-Expo está configurada para oito passageiros, mas é capaz de acomodar até 12, a Bell concebeu um revolucionário sistema que permitirá a máxima personalização e conforto para os passageiros, ajustando a iluminação e a temperatura. O conceito prevê módulos que fornecerão a capacidade dos passageiros ajustarem suas respectivas iluminação e temperatura. 

"Este é um Bell diferente, para irmos a um lugar diferente” disse o CEO da Bell, Mitch Snyder “e sem mostrar tudo apresentamos uma ideia das tecnologias em que estamos trabalhando”, completou o executivo, que acrescentou: algumas amadurecerão antes que as outras, mas o principal é que estamos mostrando um visual revolucionário e uma ideia de onde a Bell pretende chegar, oferecendo uma operação mais autônoma, uma notável redução do ruído e uma nova experiência de viajar para os passageiros. 

Uma observação mais detalhada do projeto do FCX-001, começa, sem dúvida pela parte traseira da fuselagem, que não tem rotor de cauda – uma notável característica, vindo da Bell. No seu lugar, o antitorque é proporcionado por vários fans instalados na parte traseira da fuselagem. O sistema fornece a capacidade de empurrar o ar em qualquer direção, e também terá controle de vetor de impulso, permitindo-lhe renunciar, também, a um estabilizador horizontal. Alimentando esse sistema antitorque há um motor elétrico, que é parte do sistema de propulsão híbrido. 

A célula em si, é também muito diferente a qualquer outra coisa feita antes pela Bell. Em termos de escala, o FCX-001 é ligeiramente maior que um Bell 412, em termos de comprimento e largura, mas as suas linhas e o uso extensivo de partes transparentes apresentarão alguns desafios na produção, com uma alta dependência de materiais compostos. 

Dentro, do FCX-001 há lugar para apenas um piloto. "Só um, o que é bastante incomum, mas queremos mostrar uma visão de futuro com ampla assistência da informática e da inteligência artificial" afirmou Snyder. 

À frente do piloto há um amplo campo de visão sem nenhum tipo de tela ou comando. Essas informações serão fornecidas sob a forma de realidade aumentada, em que um piloto usando um capacete, será capaz de criar seu próprio espaço de trabalho. A ideia é que o capacete seja capaz de reconhecer as mãos do piloto no espaço, permitindo-lhes criar e mover telas diferentes dentro do cockpit, e até mesmo fixá-los em determinados pontos no espaço para que eles não se desloquem quando o piloto movimente a cabeça.

É um conceito interessante, porque o piloto pode personalizar sua plataforma de voo, puxar os controles quando precisar deles, ou definir diretivas automatizadas e apenas obter o feedback em vez de sempre desordenar sua tela. Os Microsoft HoloLens são um bom exemplo que existe hoje, mas obviamente, a Bell espera que a tecnologia também avance e possa trabalhar com seus sistemas de voo. Mas até que ponto podem chegar essas tecnologias? É muito parecido com um carro conceito. As tecnologias deverão surgir mais cedo ou mais tarde. 

“Nós queremos ser diferentes. Nós podemos ser o futuro. Fomos pioneiros no passado e como líderes, pretendemos levar a tecnologia a um novo patamar”, declarou Mitch Snyder.

Fonte: http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/bell-anuncia-novo-helicoptero-com-propulsao-hibrida-e-sem-rotor-de-cauda_3282.html#ixzz4apPQe6Sb 



08/março/2017 - Airbus apresenta módulo de transporte por terra e ar

O pioneiro e conceitual Pop.Up foi apresentado durante o 87º Salão Internacional de Automóveis em Genebra

Durante a edição do 87º Salão Internacional de Automóveis em Genebra, Italdesign e Airbus apresentam o Pop.Up, o primeiro sistema conceitual de transporte modular, totalmente elétrico e com zero emissões, projetado para descongestionar o tráfego nas grandes cidades. O Pop.Up foi concebido como um sistema modular para o transporte multimodal que utiliza tanto o espaço aéreo quanto o terrestre.

Este conceito que agora já é realidade é resultado de uma ideia em conjunto entre Italdesign e Airbus, que pretendiam superar os desafios que envolvem a mobilidade nas grandes cidades por meio de uma solução que resultasse em uma maior acessibilidade para a maioria da população, um dos maiores problemas para os passageiros nas grandes cidades do mundo. Com a previsão de um grande aumento dos congestionamentos até 2030, ambas empresas decidiram combinar seus conhecimentos técnicos de engenharia para encontrar a melhor forma de desenvolver um sistema de mobilidade urbana sustentável, modular e multimodal.


Assim surgiu o conceito Pop.Up, que é composto por três elementos:

  • Uma plataforma de inteligência artificial que, a partir dos conhecimentos do usuário, gerencia as questões mais complexas das viagens oferecendo cenários de usos alternativos e garantindo uma viagem sem interrupções.
  • Um veículo em forma de cápsula projetado para ser acoplado a dois módulos de propulsão elétrica independentes (o módulo terrestre e o módulo aéreo). A cápsula Pop.Up também pode se integrar a outros meios de transporte público (trens ou hyperloops, por exemplo).
  • Um módulo de interface que se comunica com os usuários em um ambiente totalmente virtual.

O sistema Pop.Up pretende fazer com que os passageiros ganhem tempo graças a uma nova forma flexível, comum e adaptável de se mover entre as cidades, que introduz um novo conceito de sistema de transporte focado nos usuários. 

O veículo Pop.Up combina a flexibilidade de um veículo terrestre pequeno de dois assentos com toda a liberdade e velocidade de um veículo aéreo, com decolagens e aterrissagens verticais, juntando as esferas aeroespacial e automobilística.

O modus operandi do Pop.Up é simples: os passageiros planejam seu trajeto e reservam a viagem por meio de um aplicativo fácil de usar. Automaticamente, o sistema sugere a melhor opção de transporte – de acordo com os conhecimentos do usuário, os horários, o congestionamento do tráfego, custos e a demanda por veículos compartilhados – juntando o módulo aéreo, terrestre e outros meios de transporte à cápsula do passageiro, segundo suas preferências e necessidades.

O elemento essencial deste conceito é a cápsula, que foi especialmente projetada para acomodar os passageiros. Essa cabine de fibra de carbono e tecnologia de ponta mede 2,6 metros de largura, 1,4 metros de altura e 1,5 metros de diâmetro. Acoplada ao módulo terrestre, a cápsula se transforma por si só em um carro de passeio que conta com um chassi de fibra de carbono e é carregado por uma bateria.
 
Para viagens nas grandes cidades onde existem grandes congestionamentos, a cápsula se desconecta do módulo terrestre e é carregada pelo módulo aéreo de 5 por 4,4 metros impulsionado por oito motores rotativos. Nesta configuração, o Pop.Up se transforma em um veículo aéreo urbano com piloto automático que aproveita a terceira dimensão para chegar do ponto A ao B de uma forma eficiente, enquanto evita congestionamentos no solo.

Quando os passageiros chegarem a seu destino, os módulos aéreo e terrestre e a cápsula voltarão sozinhos às estações de recarga para esperar os próximos clientes.

Devido à possibilidade de combinar a cápsula com outros meios de transporte, o Pop.Up oferece uma experiência de viagem sem interrupções. O usuário pode permanecer durante toda a viagem dentro da mesma cápsula sem ter que se preocupar em trocar de meios de transporte, podendo aproveitar todo o tempo de viagem, graças a interação em tempo real entre a cápsula, o ambiente urbano e comunidades.

Airbus, líder do setor aeroespacial, aproveita seus amplos conhecimentos técnicos para desenvolver ativamente diferentes conceitos inovadores que contribuirão para o descongestionamento do tráfego urbano. “Não há dúvida que adicionar a terceira dimensão às redes de transporte multimodais sem interrupções melhorará a forma com que vivemos e como nos deslocamos de um ponto ao outro”, afirmou Mathias Thomsen, gerente da Urban Air Mobility na Airbus, no momento da apresentação. “Projetar e aplicar corretamente soluções que servirão tanto para o espaço aéreo quanto para o terrestre exige uma reflexão em conjunto entre os setores aeroespacial e automobilístico, assim como uma estreita colaboração com os órgãos locais do governo para desenvolver as infraestruturas e quadros regulatórios necessários. Italdesign, com seu grande histórico de projetos excepcionais de veículos, é um sócio muito valioso para a Airbus no marco desse projeto exclusivo e conceitual”. 

“Italdesign é uma empresa criada para prestar serviços e oferecer soluções de mobilidade as partes interessadas em todo o mundo. A busca por soluções de última geração está profundamente inserida em nosso DNA”, afirma Jörg Astalosch, CEO da Italdesign. “Atualmente, os veículos fazem parte de um ecossistema muito mais amplo: se quisermos projetar um veículo urbano do futuro, o carro tradicional não pode ser a única solução para as grandes cidades. Também é necessário pensar nas infraestruturas sustentáveis e inteligentes, nos aplicativos, na integração, nos sistemas de alimentação, no planejamento urbano, nos aspectos sociais, entre muitos outros assuntos. Nos próximos anos, o transporte terrestre avançará para um próximo nível e, além de ser comum, autônomo e conectado, passará também a ser multimodal e usará também a terceira dimensão”, continua Astalosch. “Na Airbus, empresa líder no setor aeroespacial, encontramos um sócio ideal que compartilha nossa visão moderna sobre o futuro nas grandes cidades para desenvolver uma ideia multimodal e sustentável de transporte”, conclui.

Fonte: http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/italdesign-e-airbus-apresentam-o-pop-sistema-pioneiro-e-conceitual-de-transporte-de-passageiros-por-terra-e-ar_3284.html#ixzz4apOcXIEG 



08/março/2017 - Boeing apresenta primeiro 737 MAX 9

Aeronave tem primeiro voo programado para os próximos meses e entrega comercial a partir de 2018

A Boeing anunciou hoje mais um marco ao apresentar o primeiro 737 MAX 9. De acordo com o cronograma inicial da companhia, a aeronave foi exibida diante de milhares de funcionários na fábrica da Boeing em Renton, no estado de Washington, Estados Unidos. O modelo é o segundo e maior membro da família de aeronaves 737 MAX, tem alcance de 6.500 km (3.515 milhas náuticas) e pode transportar 220 passageiros. 

Após sua apresentação, o avião passará por processos de verificação de sistemas de voo, de reabastecimento e de motores. Uma vez concluído, o modelo seguirá para a etapa de voos de testes, processo programado para os próximos meses e que consiste na fase final de verificação das características operacionais e de desempenho geral de toda nova aeronave. 

“O time do 737 MAX continua a desenvolver um trabalho fantástico ao nos permitir alcançar esses marcos dentro do cronograma estabelecido”, celebra Keith Leverkuhn, vice-presidente e gerente geral do programa 737, da Boeing Aviação Comercial. “Nosso foco primário é a entrega de uma aeronave que mantenha a confiabilidade lendária que nossos clientes de 737 conhecem, unindo a tudo isso a flexibilidade otimizada e a capacidade de alcance que eles desejam”.

O 737 MAX 9 deverá entrar em operação em 2018, tendo como primeiro cliente a companhia aérea indonésia Lion Air. Paralelamente, o 737 MAX 8 segue o cronograma estabelecido e tem sua primeira entrega programada para este ano – no Brasil, o primeiro será entregue à GOL em 2018. 

A família 737 MAX foi desenvolvida para oferecer aos seus operadores flexibilidade, eficiência e desempenho acima da média, aliando a esses pontos menor custo por assento e autonomia de voo capaz de criar novas rotas no mercado de aeronaves de corredor único (single-aisle). Os 737 MAX 8 e 9 serão seguidos pelo 737 MAX 7 em 2019 e pelo modelo de maior capacidade MAX 200, enquanto estudos e discussões seguem em andamento com os clientes da Boeing a fim de expandir a família de aeronaves. 

A família 737 MAX é a que registra venda mais rápida em toda a história da Boeing, tendo até o momento acumulado mais de 3.600 pedidos de 83 clientes em todo o mundo.

Fonte: http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/boeing-apresenta-primeiro-737-max-9_3283.html#ixzz4apOLeiyb 



08/março/2017 - Europa aprova o voo monomotor IFR noturno

Uma decisão da União Europeia aguardada ansiosamente

Em Bruxelas, a Associação de Fabricantes da Aviação Geral (GAMA) celebrou a aprovação, pela União Europeia (EU), as operações de transporte aéreo comercial (CAT) utilizando aeronaves monomotoras a turbina à noite ou em condições meteorológicas por instrumentos (IMC). A decisão abre novos mercados e deve aumentar a conectividade no continente europeu.

A aceitação, pela EU das operações CAT vinha sendo aguardada ansiosamente, principalmente pela GAMA, sendo fruto de estudos detalhados de segurança. A medida vai facilitar – em muito – o transporte noturno de cargas e a ligação com as mais remotas regiões da Europa. A EASA foi uma das grandes responsáveis pela condução do processo.

Fonte: http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/europa-aprova-o-voo-monomotor-ifr-noturno_3273.html#ixzz4apARk4T5 



08/março/2017 - Helicóptero da Bell preparado para o reinício dos voos

Programa de ensaios havia sido abandonado após acidente em julho

A aeronave 003 do Bell 525 Relentless está sendo preparada pela Bell Helicopter para reiniciar o programa de ensaios em voo que havia sido interrompido em julho passado em decorrência de um grave acidente em Italy, Texas. A sequência dos testes deve ser iniciada “nos próximos meses” segundo a Bell.

As aeronaves 004 e 005, as primeiras de produção do 525, estão sendo fabricadas e se juntarão ao programa em meados do ano ou no terceiro trimestre. A Bell reconstruiu o protótipo 001 que também participará do programa de ensaios em voo, somando então 4 Relentless.

Os 525 que voaram totalizaram quase 200 horas e alguns testes no solo que estão sendo realizados, adiantam o programa sem a necessidade de voar.

Fonte: http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/helicoptero-da-bell-preparado-para-o-reinicio-dos-voos_3279.html#ixzz4apAGLFyf 



08/março/2017 - Comunicação por texto entre centros de controle do tráfego aéreo começa a se difundir

A tecnologia da comunicação digitalizada Data Comm de próxima geração, entre os Centros de Controle do Tráfego Aéreo (ATC) está ajudando a “dar apoio à segurança de voo e reduzir atrasos nas partidas de aeronaves” no Miami International Airport, conforme relatórios do FAA. 

A nova tecnologia complementa a comunicação por voz ao permitir tanto aos controladores como aos pilotos, transmitir e receber informações importantes como liberações de operação, frequências, revisão de planos de voo e avisos, via mensagens de texto ao “toque de um botão”. Uma prática mais que conhecida e utilizada por milhares de usuários de celulares, mundo afora (texting). 

Para a FAA, Data Comm ajuda a manter as aeronaves em sua posição exata “na fila de espera para a decolagem” e, inclusive, passar à frente das outras, conforme determinação do ATC. A nova modalidade de comunicação elimina virtualmente os erros cometidos pela repetição exaustiva das mensagens de voz.  

Com a adesão do ATC no Miami International, chega a 55 o número de torres de controle de aeroportos que operam com o Data Comm.  

A Harris Corp. que conquistou o contrato do FAA para o programa Data Comm, afirma que 23.000 voos diários já se utilizam da nova tecnologia.

Fonte: http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/comunicacao-por-texto-entre-centros-de-controle-do-trafego-aereo-comeca-se-difundir_3286.html#ixzz4ap9xKNve 



08/março/2017 - Terceiro protótipo do avião de negócios PC-24 faz primeiro voo

O novo bijato suiço deve ser certificado no último trimestre

As primeiras entregas do novo bijato de negócios suíço Pilatus PC-24, deverão ocorrer logo após sua certificação. A aeronave será oferecida em uma de seis opções em termos de interiores e exteriores projetados em colaboração com a Designwork do Grupo BMW.

Por enquanto, a Pilatus deixou de aceitar encomendas após ter firmado contratos de vendas para as primeiras 84 aeronaves, a partir do anúncio do programa em maio de 2013.

Oscar Schwenk, do Conselho da Pilatus declara que “o programa de ensaios em voo do PC-24 está sendo realizado de acordo com o planejado, e os dados obtidos revelam que nosso jato de negócios excede as especificações de desempenho”. Fonte: http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/terceiro-prototipo-do-aviao-de-negocios-pc-24-faz-primeiro-voo_3285.html#ixzz4ap9WT7be 



07/março/2017 - PR-GUK: #VOACANARINHO

Site AeroEntusiasta ©  AE 006/17

Entrou na malha da GOL LINHAS AÉREAS nesta quinta-feira (02/MAR), o Boeing 737-800 prefixo PR-GUK (cn 35852), ostentando a nova pintura especial alusiva a parceira com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol). O jato verde amarelo tem a silhueta de uma ave na empenagem, sobreposta pelo brasão da CBF na cauda, a hashtag "#voacanarinho" , as frases "o canto de 200 milhões torcendo pelo hexa" e "Transportadora Aérea Oficial da Seleção Brasileira", além de outros detalhes.

Ele deverá substituir o PR-GUM (cn 35846), que desde JUN/2013 voa com uma pintura especial da CBF (ver notícia AQUI).

O "GUK" é a primeira aeronave com a nova imagem corporativa da GOL que ostenta uma pintura especial. Ele deixou o CEMAN CNF (Centro de Manutenção da GOL em Confins) na madrugada, em voo de translado (GOL 9907) rumo a Salvador (SSA), onde assumiu o voo GOL 1565 para Congonhas (CGH).

  >>>  Clique AQUI e acompanhe as atualizações sobre este assunto no AeroFórum.

 Mais sobre a GOL:

( Fotos: Marcelo Areias © CGH 02/03/2017 e Vinícius Costa © POA 05/03/2017) Fonte: AeroEntusiasta